Última hora

Última hora

Coração virtual para estudo

Em leitura:

Coração virtual para estudo

Tamanho do texto Aa Aa

A simulação médica em três dimensões sofreu um novo impulso. A função virtual do coração foi criada por três médicos London’s Unvertity College Hospital, onde se estuda o trabalho do coração, beneficiando do extremo detalhe do formato 3D

Os médicos trabalham em equipa com uma companhia de 3D, com sede em Londres, que criou o coração virtual. Foram dois anos e meio de trabalho

Isso facilita um processo detalhado de apredizagem do complexo funcionamento do coração. Tenta-se ajudar as pessoas a perceber a estrutura tri-dimensional, com recurso também a imagens em 2D, produzidas por ultrasom.

“O seu cérebro adquire e processa a imagem no plano 2D e cria a imagem 3D na sua cabeça, em algumas semanas ou meses. Mas às vezes, nunca o conseguirá. As pessoas não são capazes de processar e compreender a 3D natural do coração, olhando apenas para um plano de imagens de 2D”, diz o dr, Bruce Martin.

O coração virtual bate com absoluto realismo, em tempo real e é totalmente interactivo. Reage como um verdadeiro, se for simulado um estímulo. Nesta fase, os médicos podem concentrar a atenção em qualquer parte do coração. A cirurgia pode focar-se nas válvulas. A anestesia pode focar-se na estrutura e na acção de bombeamento.

“Mesmo numa situação real de vida, não se pode ver o interior do coração, com este detalhe, que se alcança com o simulador. Eu penso que isto alargou muito o meu conhecimento e a minha compreensão do trabalho e da anatomia do coração, em toda a sua extensão”, explica a médica Edel Duggan.

Com esta nova tecnologia, espera-se um rápido desenvolvimento do ensino da cardiologia. Os estudantes vão poder aprender a operar, em situações simuladas, antes de iniciarem o contacto directo com os doentes.