Última hora

Última hora

Flórida: o estado mais desejado

Em leitura:

Flórida: o estado mais desejado

Tamanho do texto Aa Aa

Com 27 delegados no colégio eleitoral, a Flórida é um estado-chave para McCain e Obama, que estão cada vez mais ombro a ombro.
No início do ano os republicanos tinham clara vantagem nas sondagens neste estado, mas a crise financeira perturbou o que era dado como certo.

Um caso bem real são os reformados, que representam cerca de 20% da população. Muitos cidadãos com mais de 65 anos deixaram cair o apoio a McCain e vêem Obama como a melhor escolha para garantir os seus fundos de pensões, como explica Eugene Ferber, um reformado de 91 anos:

“Tenho de viver às custas da segurança social e da pequena reforma que o governo me dá e isso não é suficiente”

Os hispânicos, na grande maioria cubanos, constituem outros 20% da população. Tradicionamente, votam republicano. Um casal hispânico vai seguir a tradição

“Vão votar McCain?”, perguntam os angariadores de votos?

“Sim, votamos McCain”, responde o casal.

Mas a mensagem de Obama parece ter chegado às novas gerações de cubano-americanos. Para eles, chegou a altura de mudar a política em relação a Cuba, como defende o democrata.

“O embargo é uma questão, acho que não foi bem sucedido. Acho que não tem os resultados que devia ter”, constata Maria Estevez, de 45 anos.

A crise imobiliária ajudou no volteface das previsões. A Flórida é o estado em que mais aumentaram os bens imobilários em hasta pública, no primeiro semestre do ano. Grande parte dos eleitores que votaram Bush em 2000 e 2004 sentem-se traídos e já não confiam nos republicanos.

É o caso de Fernando Cano, que está em risco de perder a sua moradia.
“Enganaram o povo como ratos, vejam o que se passou. Neste momento posso perder a minha casa. Vivi aqui 10 anos e tenho de pedir um novo subsídio. E estão a enganar todas estas pessoas, a dizer que vão ajudar, mas as ajudas vão para os bancos, para as gasolineiras, para o petróleo”.

Em Agosto, o desemprego ultrapassou a média nacional e chegou aos 6.9 p%. Mais uma má notícia para os republicanos no “Sunshine State”.