Última hora

Última hora

Reacções mistas ao acordo que fixa retirada das tropas americanas do Iraque

Em leitura:

Reacções mistas ao acordo que fixa retirada das tropas americanas do Iraque

Reacções mistas ao acordo que fixa retirada das tropas americanas do Iraque
Tamanho do texto Aa Aa

Serão os iraquianos capazes de assumir sozinhos o controlo da segurança do país? A pergunta está no espírito de todos depois do governo iraquiano ter aprovado o acordo que prevê a retirada total dos 152 mil soldados americanas até finais de 2011.

O texto, negociado ao longo de meses, começará a ser analisado pelo parlamento ainda esta semana. A Casa Branca fala de um bom acordo e de “uma etapa positiva”.

O porta-voz do governo de Nouri al-Maliki explicou que o documento foi aprovado por uma larga maioria no conselho de ministros e que, com este tratado, o executivo procurou defender a soberania, os interesses e os direitos do povo.

Alguns iraquianos não acreditam que os americanos abandonem um dia o país, mas para outros a data fixada não é satisfatória. É o caso de Moqtada al-Sadr.

O clérigo xiita exige uma retirada imediata e, numa primeira reacção, por intermédio do seu porta-voz, acusou o governo de al-Maliki de defender os interesses da força ocupante e de ofender o povo. Al-Sadr afirma que os iraquianos vão desmascarar um governo que viola a religião e as tradições árabes.

Nos últimos meses, o Iraque assistiu a uma melhoria da segurança, mas a violência continua. Só este domingo, dois atentados fizeram 18 mortos e cerca de 30 feridos. O mais grave ocorreu em Jaloula, na província de Diyala, a mais perigosa do país.