Última hora

Última hora

Romenos desiludidos com a classe política

Em leitura:

Romenos desiludidos com a classe política

Tamanho do texto Aa Aa

A taxa de participação inferior a 40% é o resultado mais marcante das legislativas romenas. Uma percentagem que expressa, claramente, uma desilusão face à classe política, no primeiro escrutínio após a adesão do país à União Europeia. O analista político, Stelian Tanase, considera que a tarefa do futuro governo será tudo menos fácil. “O governo vai ter de lidar com a pressão social devido ao aumento do desemprego, a moeda local vai tornar-se vulnerável, o poder de compra vai diminuir e a população romena vai ser obrigada a apertar o cinto” afirma.

Após 50 anos de comunismo e, consequentes, privações, os romenos habituaram-se a um crescimento recorde. Mas a trègua social decretada pelos sindicatos durante a campanha poderá regressar a qualquer momento. Os professores, por exemplo, deverão reivindicar o aumento salarial de 50% votado pelo anterior Parlamento.

Isto sem contar com a ameaça do desemprego. Os efeitos da crise fazem-se sentir em grandes grupos industriais e a quebra das encomendas levou, em alguns casos, à suspensão da produção e a ameaças de despedimentos.

Mas a situação laboral no país poderá piorar com o regresso de 500.000 imigrantes. Homens e mulheres, que partiram à procura de trabalhado e foram supreendidos pela crise económica europeia. Os romenos representam, actualmente, a quarta comunidade de imigrantes em Portugal.

Difícil continua, também, a ser a luta contra a corrupção. Um problema que mina a classe política desde há vários anos. O Tribunal Anti-Corrupção criado em 2005 investiga deputados e antigos ministros como é o caso de Adrian Nastase. O antigo primeiro-ministro social-democrata, que em 2006 se tornou num símbolo da alta corrupção. No entanto, e até ao momento não foi proferida qualquer condenação.

Como se não bastasse, Nastase apresentou-se às eleições numa vila próxima de Bucareste. Ao clima de impunidade soma-se uma população idosa, pouco competitiva num país onde cerca de 30% dos activos são agrícolas.