Última hora

Última hora

Petróleo em novos mínimos de quatro anos

Em leitura:

Petróleo em novos mínimos de quatro anos

Tamanho do texto Aa Aa

Há mais de quatro anos que o preço do petróleo não estava tão baixo. As cotações do barril continuam a caír para novos mínimos. O Brent do Mar do Norte, cotado em Londres, e o WTI, negociado em Nova Iorque, rondam os 40 dólares. A quebra no mercado de trabalho americano ajudou às descidas de hoje.

Os preços já caíram mais de dois terços desde os máximos históricos atingidos no Verão. Em Julho, o barril esteve muito perto de chegar aos 150 dólares. A crise mundial está a fazer descer a procura, que deve ser no próximo ano pouco superior a 86 milhões de barris por dia. Um dos factores que tem feito baixar os preços é o facto de a OPEP ter vindo a adiar a decisão de reduzir as quotas de produção. O cartel vai ter a próxima reunião na Argélia, a 17 de Dezembro, e então sim, deve haver um mais que provável corte na produção. Segundo os analistas, em breve os preços podem atingir os 40 dólares. Mas a queda no preço do barril não se reflecte, necessariamente, no que os consumidores pagam na bomba de gasolina. Isto apesar de os combustíveis terem vindo, também, a baixar. “Penso que o preço do petróleo não está a reflectir-se completamente no custo dos combustíveis. As cotações do barril caíram muiro, mas os preços na bomba desceram mais lentamente. Penso que ainda há margem para descerem muito mais”, diz um cliente austríaco. A Agência Internacional da Energia desferiu um novo golpe nos preços, esta sexta-feira, ao rever em forte baixa a procura para os próximos cinco anos.