Última hora

Última hora

Braço de força na Grécia: Primeiro-ministro e gregos debatem-se

Em leitura:

Braço de força na Grécia: Primeiro-ministro e gregos debatem-se

Tamanho do texto Aa Aa

A explosão de cólera na juventude grega, fragilizou,
um pouco mais, o Primeiro-ministro conservador. Costas Caramanlis foi reeleito em Setembro de 2007, com uma curta maioria, dois assentos apenas. Não tem sido, por isso, fácil dar continuidade às reformas propostas pelo seu governo.

Uma má gestão dos incêndios florestais, que fizeram 65 mortos, e o escândalo de corrupção
no seio do seu partido, a Nova Democracia também ajudaram. O braço de ferro com os populares começa aqui.

Em Novembro de 2007 os estudantes protestavam contra a reforma que pretende suprimir o monopólio público em relação à educação universitária. A Grécia não reconhece, ainda, os diplomas entregues
por universidades gregas privadas ou de outro país o que vai contra uma directiva europeia. Apesar da necessidade de reformas os estudantes estão contra as alterações à lei anterior porque acreditam que a igualdade entre universidades privadas e estatais cria barreiras entre classes e que a vida dos que não têm dinheiro não vai estar facilitada.

Em Março o parlamento grego vota a lei de reforma das pensões, mas tem em oposição pessoas de todas as classes sociais. Esta reforma tenta evitar o colapso do sistema, dentro de quinze anos, devido ao envelhecimento da população, mas é, por muitos, considerada injusta e pouco benéfica para os trabalhadores, jovens ou velhos, mas sobretudo para as mulheres. A reforma foi aprovada. Na sequência realizaram-se uma série de greves que culminaram numa paragem geral dos sectores público e privado. Os grevistas mostram-se contra a nova legislação e o aumento dos impostos mas também contra a privatização da Olympic Airlines. Os que aderiram a esta greve exigem maior despesa social, o aumento
das pensões de reforma e dos salários.

Ao descontentamento social junta-se o descrédito moral do governo que perdeu dois ministros devido ao caso de corrupção do Mont Athos que vai custar aos contribuintes gregos cem milhões de Euros.