Última hora

Última hora

Funeral de jovem morto por polícia acompanhado por protestos violentos

Em leitura:

Funeral de jovem morto por polícia acompanhado por protestos violentos

Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de pessoas juntaram-se esta terça-feira num cemitério da periferia de Atenas, para assistir ao funeral do adolescente morto a tiro no sábado por um polícia.

O incidente provoca, há quatro dias, os piores motins das últimas décadas na Grécia.

Enquanto o enterro decorria acompanhado por fortes aplausos, como manda a tradição grega, no exterior do cemitério de Palio Faliro ouviam-se palavras de ordem contra a polícia e registavam-se alguns confrontos.

O agente que disparou sobre Alexis Grigoropoulos no complicado subúrbio de Exarchia está detido e é acusado de homicídio voluntário.

Mas a morte do adolescente continua a alimentar os episódios de violência urbana.

Centenas de jovens que participaram num protesto estudantil em Atenas atacaram com pedras e outros objectos os polícias que tentaram impedir a aproximação ao Parlamento.

Nas ruas de Atenas e Salónica, milhares de gregos mobilizaram-se em manifestações que, mais uma vez, degeneraram em motins e confrontos com as forças de segurança.

Em quatro dias, a violência espalhou-se por mais de uma dezena de cidades no país.

Muitos comparam já o cenário com a revolta estudantil de 1973, que ajudou a derrubar o poder militar.