Última hora

Última hora

A operação de resgate do Banco Fortis fez cair o governo belga

Em leitura:

A operação de resgate do Banco Fortis fez cair o governo belga

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro Yves Leterme, propôs a demissão de todo o Governo, na sequência de acusações de alegada pressão governamental sobre a justiça no caso do Banco Fortis.

Em Novembro, Leterme consegue um acordo para nacionalizar as actividades deste banco operação que previa a venda de algumas agencias ao francês BNP Paribas, o que causou a fúria dos accionistas que compreenderam as perdas geradas pela queda das acções.

O ministro da Justiça belga, Jo Vandeurzen, foi o primeiro a demetir-se logo apos o anuncio do presidente do Supremo Tribunal belga que confirmou a existência de “indícios importantes” de ingerência por parte do Governo.

“As pessoas vão começar a compreender a forma como a justiça actuou e irão duvidar, isso não pode acontecer” declarou o ministro da Justiça

Os accionistas do banco decidiram apresentar queixa por não terem sido previamente consultados.

O Tribunal do Comércio belga validou a operação no Fortis, mas o Tribunal da Relação deu razão aos accionistas.

O governo belga anunciou então que iria interpor recurso mas na altura, Yves Leterme negou qualquer ingerência do executivo sobre o poder judiciário e apenas admitiu ter feito “contactos”.

O rei Alberto II da Bélgica deixou em suspenso sua decisão sobre a renúncia de Governo Após receber em audiência Leterme, o monarca procede nesta altura a uma serie de consultas.