Última hora

Última hora

Turistas afluem à Terra Santa

Em leitura:

Turistas afluem à Terra Santa

Tamanho do texto Aa Aa

A alegria de celebrar o Natal na Terra Santa parece estar de regresso.

2008 foi o melhor período turístico dos últimos oito anos. As estatísticas prevêem que o próximo ano seja ainda melhor, depois do Papa Bento XVI ter anunciado uma peregrinação à Terra Santa. Os turistas estrangeiros que se afastaram em massa deste local sagrado em Setembro de 2000, no início da Segunda Intifada, voltam agora aos milhares à terra onde nasceu Jesus. Belém conheceu este ano um boom turístico que pode chegar a mais de milhão e meio de visitantes. Todos os hotéis estão completos, o que significa mais de três mil quartos ocupados. Jonny Qattan, o director de um hotel em Belém conta que “o turismo cresceu tremendamente durante este ano, especialmente no segundo trimestre”. Não são só os hotéis que vivem esta euforia. Restaurantes, lojas de souvenirs e até os guias turisticos aproveitam este período de prosperidade. O turismo torna-se assim no mais importante sector económico da região. Resultado: a criação de doze mil novos postos de trabalho. “No período do Natal estamos à espera de 35 a 40 mil turistas, isto porque estamos a receber uma média de 100 a 120 mil turistas por mês, desde o inicio do ano. Por isso estamos muito felizes”, diz Victor Batarseh, o autarca de Belém. Mas o sucesso não se deve ao acaso. Isaraelitas e palestinianos recolhem agora os frutos de uma política comum no domínio do turismo. Após a situaçâo dramática para o sector resultante da Segunda Intifada, os ministérios do Turismo israelita e palestiniano organizaram juntos, em 2005, uma campanha turística destinada à Europa e à America Latina com um unico objectivo: a segurança para os visitantes. Alguns anos passados, só o muro erigido pelo estado hebraico por razões de segurança assombra esta política de colaboração isarelo-palestiniana na área do turismo. Uma comunicação entre os povos que serviu para relançar um sector da economia e que se espera que possa também ajudar ao relançamento da paz.