Última hora

Última hora

Capital Europeias da Cultura

Em leitura:

Capital Europeias da Cultura

Tamanho do texto Aa Aa

A passagem de ano em Vilnius comemorou mais do que o reveillon: é que Vilnius é Capital Europeia da Cultura.

A capital da Lituânia é a primeira cidade dos novos países membros da União Europeia a qualificar-se para esta distinção. O conceito nasceu em 1985 através do impulso dado por Melina Mercouri, então ministra grega da Cultura. A idéia é aproximar os europeus com a designação de duas cidades que em cada ano se tornam palco de manifestações artísticas, com destaque do património histórico e cultural. “Vilnius tornou-se capital cultural da Europa, o que é muito bom, porque aumenta o prestígio da cidade, do país e da sociedade.” Cabe ao Parlamento Europeu e ao Conselho da União designar as cidades com base num relatório de sete peritos independentes. O orçamento atribuído pela União Europeia é de 1 500 000 €. Com uma centena de acontecimentos num ano e um orçamento próprio de cerca de 30 milhões de euros, é o maior evento cultural já realizado em países do Báltico. Para haver equilíbrio, está em vigor um sistema de rotatividade entre os Estados-Membros. Com o alargamento da União, o novo modo de selecção consiste em designar uma das duas cidades entre os novos Estados membros. Este ano coube a vez a Vilnius na Lituânia e Linz na Áustria. O programa de Linz 2009 prevê 220 acontecimentos culturais diferentes ao longo do ano com um orçamento de 68 milhões de euros. Em Linz, as celebrações do ano cultural deram um novo brilho ao reveillon. Espectáculo pirotécnico no Danúbio e 130 mil pessoas na rua a participarem na festa. Em 2010, as cidades eleitas são a húngara Pecs e a alemã Essen.