Última hora

Em leitura:

Partidos europeus interpelaram Topolanek


A redação de Bruxelas

Partidos europeus interpelaram Topolanek

As reacções foram diversas, perante o discurso do primeiro-ministro checo que, esta quarta-feira, apresentou no Parlamento Europeu o programa da sua presidência da União. Os diferentes grupos parlamentares elegeram temas diversos, para interpelar, Mirek Topolanek.

Perante os desafios que se colocam à Europa, os estados membros têm de actuar em bloco, como defendeu o Partido Popular Europeu: “Perante estes desafios, a única atitude dos nossos países é fazer um bloco, prova de solidariedade e agir de maneira coordenada e determinada”, disse o presidente do grupo parlamentar popular. Topolanek defendeu uma Europa de regras, porque não pode haver capitalismo sem regulação. O Grupo Socialista, pela voz do chefe da bancada, gostou do que ouviu. “Respondeu ao meu amigo Joseph Daul e disse-lhe que a crise financeira não é a derrota completa do capitalismo: Bom, mas… é uma derrota dos capitalistas que ao longo dos anos disseram que não havia necessidade de mais regras que o mercado se podia auto-regular. Esses foram derrotados. E se hoje o senhor pode explicar aqui que precisamos de uma Europa com régras para lidar com esta crise, se está convencido disso, então eu posso concordar com o senhor. Bem vindo ao clube europeu dos reguladores, senhor Topolanek”. Do lado dos verdes, as interpelações foiram dirigidas aos temas ambientais, atrav’es de Monica Frassoni: “Nós pedimos-lhe que tente ganhar os seus colegas, no Conselho de Primavera, para a ideia de que é preciso reduzir os consumos de energia em 20 por cento, até 2020”. Reforma institucional, regulação dos mercados e defesa do ambiente, neste primeiro confroto da presidência checa, com o Parlamento Europeu.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

A redação de Bruxelas

Fraude na exposição "Entropa"