Última hora

Última hora

Espectativas europeias em relação a Obama

Em leitura:

Espectativas europeias em relação a Obama

Tamanho do texto Aa Aa

A Obamania contagiou a Europa, mesmo antes da vitória da candidatura democrata. O discurso que fez na Praia da Coluna da Vitória, em Berlim, em Julho passado, suscitou uma vaga de alegria e esperança.

“A América não tem melhor parceiro do que a Europa. Agora, é tempo de construir novas pontes através do planeta tal como as que nos unem ao Velho Continente. “ Depois da era Bush, a eleição de Obama suscita as maiores expectativas, nomeadamente na condução da política externa. Em França, grande parte da população assumiu a vitória como se o destino da Europa também dependesse dele. Em todo o continente se espera uma diplomacia mais aberta, nomeadamente em relação ao Médio Oriente, à Síria ou ao Irão. Daniel Cohn Bendit comenta: “Espero que a administração de Obama assuma uma nova linguagem política, desenvolva novas teses. Os americanos devem dar a importância devida à mediação dos egípcios para encontrar uma solução de dimensão regional com o Hamas e o Irão.” Barack Obama prometeu fechar o campo de prisioneiros da base naval de Guantânamo. Dos cerca de 250 reclusos ainda, segundo números das Nações Unidas, 40 a 50 não podem ser enviados para os países de origem sob risco de serem mortos. Portugal, foi o primeiro país europeu a disponibilizar-se para receber os detidos de Guantânamo. O comissário europeu para a Justiça saúda essa “ideia justa da parte do novo presidente Obama que é saber que podemos lutar contra o terrorismo e respeitar as regras, as regras éticas e de justiça. Eis a oportunidade para uma nova parceria entre a Europa e os Estados Unidos”. Os Negócios Estrangeiros vão ser difíceis de gerir, conforme ficou patente na última reunião do G20 em Washington. Os europeus esperam que Obama seja mais receptivo no próximo G20 está previsto para Abril, em Londres. O relançamento do Protocolo de Kyoto é outra das grandes esperanças dos europeus. Uma coisa é certa: todo o mundo ficou com os olhos postos em Obama, quando, com pragmatismo, iniciou a escolha de membros do gabinete. Pode não fazer mudanças radicais mas já é símbolo de união, esperança e entusiasmo.