Última hora

Última hora

Reconstrução de Gaza

Em leitura:

Reconstrução de Gaza

Tamanho do texto Aa Aa

As imagens dos arredores da cidade de Gaza dispensam descrições e adjectivos.

Facto é que a destruição mostra mais feridas de miséria de um povo já fustigado pela pobreza, alta densidade demográfica e falta de respeito pelos mais elementares direitos humanos. Um dos sobreviventes palestinianos deambula pelo sítio em que vivia… “Estamos â procura de um lugar para viver. Aqui ficava a nossa casa. Agora, não temos ninguém, nem a missão da ONU, nem o governo, ninguém está a pedir por nós às Nações Unidas, à Cruz Vermelha. Precisamos de alguém que nos arrange uma tenda, mas não há ninguém.” O desespero destes palestinianos não se apaziguou com o fim dos bombardeamentos. Depois da fuga apressada e o regresso ao fim de três semanas, uma mulher queixa-se: “Regressamos após 20 dias e encontramos a nossa casa em ruínas, não pudémos encontrar colchões, nem chão para dormir nem ovelhas, não encontramos nada”. As primeiras estimativas dos palestinianos adiantam que a reconstrução vai custar dois mil milhões de dólares. A Arábia Saudita anunciou que dar metade deste montante. Os países europeus, o Vaticano e a ONU também vão contribuir. No entanto, Israel quer assegurar-se de que o Hamas não vai sair beneficiado e pretende controlar directamente os trabalhos de reconstrução. Os materiais que podem ser utilizados no fabrico de armas não passam nos postos de controlo israelitas. Mas os radicais xiitas do Hamas não se reorganiza e já estão a reconstruir os 80 por cento de túneis bloqueados pelos bombardeamentos do exército israelita na fronteira com o Egipto, 14 km. As imagens são de hoje, 21 de janeiro de 2009.