Última hora

Última hora

Pesos pesados da diplomacia dos EUA para o Médio Oriente e o Afeganistão

Em leitura:

Pesos pesados da diplomacia dos EUA para o Médio Oriente e o Afeganistão

Tamanho do texto Aa Aa

A administração Obama nomeou dois “pesos pesados” para dois dos dossiês mais complexos da diplomacia norte-americana.

Com o título de “enviado especial para a Paz no Médio Oriente”, o veterano ex-senador George Mitchell, de 74 anos, foi uma peça imprescindível para a concretização do processo de paz na Irlanda do Norte. Mitchell diz que a experiência deu-lhe “a convicção de que não existe nenhum conflito que não possa ser resolvido. Os conflitos são criados, conduzidos e mantidos por seres humanos e, portanto, também podem ser terminados por seres humanos”. Para o cargo de “representante especial para o Afeganistão e o Paquistão”, a escolha foi Richard Holbrooke, antigo embaixador nas Nações Unidas que negociou o fim da guerra na ex-Jugoslávia. Holbrooke afirma que, na atribuição das questões afegãs e paquistanesas ao mesmo enviado, é preciso sublinhar que os Estados Unidos “respeitam totalmente o facto de que o Paquistão tem a sua história e tradições, e é muito mais do que as turbulentas e perigosas regiões tribais na fronteira ocidental”. Barack Obama ordenou a revisão da estratégia norte-americana no Afeganistão, com carácter prioritário. Quanto ao conflito israelo-palestiniano, a Casa Branca já fez saber que o enviado para o Médio Oriente se deslocará à região “o mais cedo possível”.