Última hora

Última hora

Sarkozy extingue taxa profissional

Em leitura:

Sarkozy extingue taxa profissional

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente francês falou da crise, e do seu plano de reformas, numa entrevista colectiva, transmitida em directo, na noite de quinta-feira, por diferentes cadeias de televisão e rádio, a partir do Eliseu. Nicolas Sarkozy “piscou o olho” a empresas e a sindicatos, numa evidente tentativa de estancar a escalada de contestação social.

Comprometeu-se com o fim da taxa profissional, já em 2010, e explicou porquê: “Para construir o mesmo automóvel na República Checa, que também é membro da União Europeia, e em França, há uma diferença de 1000 euros. E uma parte desses mil euros, um terço, diz respeito à taxa profissional, um imposto que não existe em qualquer outro país da Europa. Posso dizer-vos que vou extinguir a taxa profissional, em 2010”. “Para combater o outsourcing?” – perguntou um jornalista. “Eu vou extinguir a taxa profissional, porque quero manter as fábricas em França”, disse o presidente. Menos um imposto, para as empresas francesas, a partir do próximo ano. Garantiu que o seu plano de reformas é para continuar. Considerou-o um dever, fundamental, para ultrapassar a crise. “Naturalmente, vou continuar a reformar o país. Foi esse o mandato que recebi e é esse o meu dever. É a única forma de a França emergir desta crise grave que está a entrar por aí”, disse. A última “piscadela de olho” foi para os sindicatos. Diz que está pronto a discutir com eles questões, como a política redistributiva e a manutenção do poder de compra. A 18 de Fevereiro, vai propor uma agenda da discussão, às patronais e aos sindicatos. Um anúncio que surge num momento de grande contestação social que vai do sector dos transportes, aos professores do ensino superior.