Última hora

Última hora

Eleições israelistas decisivas

Em leitura:

Eleições israelistas decisivas

Tamanho do texto Aa Aa

Um ex-primeiro-ministro, um ministro da Defesa e um primeiro ministro interino. Nestas eleições israelitas, a escolha faz-se, principalmente, entre Benjamin Netanyahu, Ehud Barak e Tzipi Livni. Três personalidades políticas forjadas no exercício do poder.

Ehud Barak, ministro da Defesa e líder do Partido Trabalhista, é impopular, apesar da ofensiva contra o Hamas, em Gaza, lhe ter valido bastante apoio. No sistema eleitoral israelita, o líder do partido que vencer as eleições tem a oportunidade de formar um governo de coligação e de o chefiar. A maioria dos israelitas afirma preferir Barak como ministro da Defesa a primeiro-ministro. Livni também não ganhou muito crédito militar. O analista do Kadima defende que o futuro de Israel está em jogo: será que se prossegue o processo de paz com os palestinianos e se consegue ou retoma-se o conflito com os palestinianos, esquecendo o processo de paz? Qualquer voto que não seja no Kadima dá mais poder à ala direita, a Netanyahu, que pretende acaba com qualquer esforço de paz. O Likud está em alta, apesar do discurso de Netanyhu, nada apaziguador: “Fazemos frente ao fogo anti-semita que visa directamente os judeus e Estado de Israel mas se deixarmos, espalha-se e consome o mundo inteiro”. Apesar do aparente balanço à direita do coração dos eleitores, a ofensiva não colheu apoios de todos. mesmo alguns ultra-radicais condenaram a ofensiva em Gaza. Depois do fracasso do Líbano, em 2006, e do aumento de poder do Hezbollah, a paz continua a ser uma miragem, o Hamas continua ameaçador e bem armado e os soldados israelitas capturados ainda não foram libertados. Além do mais a sociedade israelita é acusada de permitir e mesmo causar um drama humanitário. O próximo governo vai ter de refazer a imagem de Israel, assegurar a paz e garantir a retoma económica, pois o país está a entrar em recessão, vitimado pela crise económica mundial. A tarefa é difícil. E o mundo aguarda.