Última hora

Última hora

Preço da segurança energética divide os Vinte e Sete

Em leitura:

Preço da segurança energética divide os Vinte e Sete

Tamanho do texto Aa Aa

Segurança energética sim, mas sem pagar muito. Esta é, em resumo, a posição de vários Estados membros, numa altura em que os Vinte e Sete começam a preparar a cimeira de 19 e 20 Março. A Comissão Europeia propôs o financiamento de uma lista de projectos energéticos e tecnológicos, que visam também relançar a economia, mas ninguém quer abrir os cordões à bolsa.

À chegada ao conselho de ministros dos Negócios Estrangeiro, Frank-Walter Steinmeier, o responsável alemão admite que “ainda há muito a discutir, tendo em conta a longa lista de projectos propostos”. Mas acredita que “é possível alcançar um acordo de princípio”. Bruxelas queria que os Estados-membros aprovassem um pacote de cinco mil milhões de euros, em projectos energéticos e tecnológicos, mas já baixou a proposta para 3,75 mil milhões de euros, na tentativa de alcançar um acordo, na Cimeira de meados de Março. Antes disso, os dez países do Leste realizaram uma mini-cimeira, já no próximo domingo. À margem do encontro, Nicolas Sarkozy e Mirek Topolanek tentarão normalizar as relações. Praga acusou Paris de proteccionismo, depois de Sarkozy ter denunciado as deslocalizações dos construtores automóveis franceses para a República Checa. Os países do Leste da Europa, que ainda não aderiram ao euro, sofrem ainda mais as consequências da crise económica que se faz sentir em todo o mundo, e receiam, mais ainda, eventuais tentativas proteccionistas por parte dos Estados membros mais antigos.