Última hora

Última hora

TGV Lyon-Turim vai mesmo avançar

Em leitura:

TGV Lyon-Turim vai mesmo avançar

Tamanho do texto Aa Aa

Começa-se a ver a luz ao fundo do túnel, no projecto de ligação ferroviária Lyon-Turim. O troço faz parte da ligação Lisboa-Kiev mas tem provocado uma forte contestação em Itália.

Mario Virano, o comissário extraordinário do governo italiano para o projecto, deslocou-se esta sexta-feira, à cidade francesa de Lyon, depois do encontro entre Sarkozy e Berlusconi, em Itália. Virano foi encarregado, pelo governo de Roma, de superar os obstáculos e convencer os italianos a repensar o projecto. Hoje, quer tranquilizar os parceiros franceses: em dois anos, muitas coisas mudaram. “Hoje estamos a trabalhar concretamente para definir o projecto preliminar da linha Turim-Lyon, desde a fronteira franco-italiana até à interligação com a linha Turim-Milão, com a participação activa de uma grande parte da administração local… Se compararmos esta situação com o conflito social de Dezembro de 2005, então creio que podemos encontrar vários elementos que, objectivamente, nos tranquilizam”, remata. Na altura, em 2005, os autarcas e os habitantes do Vale de Suza, nos Alpes italianos, tinham-se oposto às obras. Mas com a promessa de Virano, de repensar o projecto, em conjunto com todos os interessados, os ânimos acalmaram-se, e o responsável francês do projecto, Jean-Pierre Lacroix, está confiante: “Acompanhei atentamente o trabalho considerável do comissário Virano e o que ele explicou aqui é extremamente claro. Penso que ele tem um grande poder de persuasão. Mas desenvolve o seu trabalho com base no respeito de todas as partes envolvidas. Penso que vamos conseguir estabelecer um calendário compatível com a realização da obra.” Do lado francês, as obras já há muito começaram. Mas do lado italiano tudo está por fazer, para que a ligação ferroviária de grande velocidade, destinada aos passageiros, mas sobretudo ao frete, possa andar sobre carris. O projecto definitivo deve estar pronto em 2012. Depois, é mais uma década e uns 20 mil milhões de euros para construir os 280 quilómetros da linha.