Última hora

Última hora

Partidos bascos discutem alianças

Em leitura:

Partidos bascos discutem alianças

Tamanho do texto Aa Aa

Os bascos desconhecem o nome do próximo chefe do governo autonómico. Os resultados das eleições de domingo prometem negociações intensas.

O Partido Nacionalista Basco, que dirige os destinos da província desde 1980, foi o mais votado mas só elegeu 30 deputados numa assembleia com 75 assentos. O actual lehendakari, Juan-José Ibarretxe, encontra-se fragilizado: nem com o apoio dos restantes partidos nacionalistas consegue a maioria absoluta. Os socialistas bascos foram a segunda força política mais votada mas os seus dirigentes reclamam a vitória. Se se apoiarem nos partidos ditos espanholistas, como o PP com 13 mandatos ou os centristas do UPyD com um eleito, conseguem a maioria necessária de 38 deputados. O dirigente socialista basco, Patxi López, já teve carta branca de Madrid para negociar. Mas a solução para levar os socialistas ao poder na região pode ter custos no parlamento nacional. O governo central de Zapatero é minoritário e apoia-se pontualmente nos vários partidos nacionalistas que já avisaram o primeiro-ministro: uma aliança com a direita conservadora espanholista do Partido Popular no País Basco vai ter consequências. Na Galiza, pelo contrário, tudo ficou definido no domingo. Os populares regressaram ao poder ao fim de quatro anos. As dificuldades de Mariano Rajoy a nível nacional não afectaram o candidato regional Alberto Nuñez Feijóo que conseguiu a maioria absoluta.