Última hora

Última hora

Que Guiné-Bissau depois de Nino?

Em leitura:

Que Guiné-Bissau depois de Nino?

Tamanho do texto Aa Aa

Depois do assassinato do Presidente guineense os militares comprometeram-se a respeitar a Constituição Nacional. O homicídio de Nino Vieira é atribuído por fontes locais a militares descontentes, ligados a Ansumane Mané e Veríssimo Seabra, dois chefes de Estado Maior General das Forças Armadas, também eles assassinados em circunstâncias diferentes.

A casa do Presidente guineense foi atacada na madrugada desta segunda-feira por militares das Forças Armadas, poucas horas após o Chefe de Estado-Maior, Tagmé Na Waié, ter morrido num atentado à bomba, em Bissau. Sete dias de luto nacional foram decretados. Um porta voz do exército garante que a situação está sob controlo. No entanto, ainda nada foi dito sobre a concretização da via constitucional para resolver o vazio de poder instaurado. Segundo a Carta Magna a ocupação interina da chefia do Estado, por um período de 60 dias, deverá ser assegurada pelo actual presidente da Assembleia Naccional Popular, Raimundo Pereira. A Guiné-Bissau tornou-se um importante ponto de passagem da droga da América Latina para a Europa. Os interesses em torno do tráfico podem ter exacerbado tensões que certamente irão influenciar o futuro do país.