Última hora

Última hora

Cartéis da Droga no México

Em leitura:

Cartéis da Droga no México

Tamanho do texto Aa Aa

Todos os dias, os poderosos cartéis da droga, minam um pouco mais o país, para que se transforme num narco-estado. Ontem uma dezena de soldados foram presos, por suspeita de trabalharem por conta destes cartéis. Este é um golpe duro para o presidente Calderón que, após a sua eleição em 2006, fez do crime organizado o seu cavalo de batalha.

A cidade de Juarez, um antro de crime, transformou-se na localidade mais perigosa do mundo. Todos os dias são exibidos cadáveres nas ruas, estrangulados ou decapitados. Ao cair da noite, os acertos de contas começam sob o olhar indiferente da população. Um popular explica que “É uma cena normal. Acontece todos os dias. As crianças vêm os cadáveres. É uma coisa banal.” Doze mortes por dia atribuídas aos cartéis de droga. Em dois mil e oito morreram cinco mil e trezentas pessoas, muito mais do que no ano anterior. Só em Juarez foram mortas mil e seiscentas. São as vítimas de uma guerra que rende dez mil milhões de dólares por ano. Isto é o que ganham os cartéis por ano, ao venderem droga aos consumidores americanos, os principais clientes mundiais da cocaína. A questão está em quem controla a porta de entrada da droga nos Estados unidos. Este é um comércio lucrativo que recruta assassinos e pessoas que fazem desaparecer os cadáveres. Preso em Janeiro, “El Pozolero”, reconheceu ter dissolvido em ácido mais de trezentos corpos, ganhava seiscentos dólares por cada um e era muito melhor remunerado do que quando era pedreiro. Para Chihuahua foram enviados dois mil e quinhentos militares. Ali todos vivem sob ameaça. Até o presidente da câmara e a sua família foram ameaçados de morte em cartazes afixados na cidade. Um clima de terror ao qual se junta um outro problema… O porta-voz do governo desta província explica: “Houve e continua a haver a todos os níveis, federal, estatal e municipal, pessoas do crime organizado que estão infiltradas. Por isso, como podemos livrar-nos deste problema, encetar uma luta quando não temos os soldados ou o exército certo? Os Estados Unidos colaboram activamente e financiam a luta contra o crime organizado no México. Mas, até agora não há resultados. Alimentado pela crise o fenómeno ganha amplitude.