Última hora

Última hora

Fianna Fail quer deixar eurocépticos e juntar-se aos liberais

Em leitura:

Fianna Fail quer deixar eurocépticos e juntar-se aos liberais

Tamanho do texto Aa Aa

Com a aproximação das eleições europeias, começa a dança das cadeiras, no Parlamento Europeu. O Fianna Fail prepara-se para deixar o grupo União para a Europa das Nações – onde têm assento vários partidos eurocépticos e mesmo de alguns próximos da extrema-direita – e juntar-se ao grupo dos Liberais, o que, para o actual presidente da bancada, Graham Watson, teria toda a lógica: “Trata-se de um partido pró-europeu, um partido centrista que, penso, tem sentido um crescente desconforto ao lado dos antigos fascistas italianos e de toda esse bando de direita com quem tem estado. Esta mudança, por parte de um dos principais partidos políticos irlandeses para um dos principais grupos políticos europeus faz-me todo o sentido.”

Mesmo se o líder do Fianna Fail acredita que os irlandeses dão pouca importância aos grupos do Parlamento, a verdade é que os quatro membros do partido são europeístas convictos, sentados no mesmo grupo que, por exemplo, o partido dos gémeos polacos Kaczynski. “O meu partido sempre apoiou o Tratado de Lisboa, fez uma forte campanha a favor do Tratado – e eu, pessoalmente, empenhei-me fortemente na campanha”, garante Brian Crowley. “Não me parece que o povo irlandês se preocupe com o grupo no qual temos assento, no Parlamento Europeu, e se isso é bom ou mau sinal ou algo do género. Trata-se de indivíduos, trata-se de partidos ao nível nacional. São eles que vão determinar o que se passará em termos de referendo.” De facto, o Fianna Fail é o partido actualmente no poder, na Irlanda. O governo irlandês é um grande defensor do Tratado de Lisboa. Depois do “não” da população no primeiro referendo, uma segunda consulta popular deverá ser realizada, provavelmente em Outubro.