Última hora

Última hora

Governo suiço diz "não" ao fim do sigilo bancário

Em leitura:

Governo suiço diz "não" ao fim do sigilo bancário

Tamanho do texto Aa Aa

O governo suiço está disponível para ampliar a cooperação internacional em casos de delito fiscal, mas não vai abandonar o sistema de sigilo bancário.

O ministro das Finanças suiço, Hans Rudolf Merz, revelou que o governo estuda a possiblidade de, pela primeira vez, adoptar leis que separam a fraude fiscal da evasão fiscal. O tiular da pasta das Finanças considera que “estar numa lista negra não é bom nem para o centro financeiro, nem para a indústria, nem para a economia suiça.” Estados Unidos e Alemanha acusam a Suiça de ser um paraíso fiscal, mas Merz defende que o segredo bancário serve para proteger a esfera privada dos cidadãos. O líder da oposição discorda. Christian Levrat espera que o ministro das Finanças “mude de estratégia e passe a ter um papel mais activo, de forma a haver condições para que amanhã, a Suiça, a Áustria, o Luxemburgo ou a Inglaterra possam trabalhar juntos sem o sigilo bancário, que apenas protege os ladrões em todo o mundo”. Amanhã os ministros das Finanças da Suiça, Áustria e Luxemburgo reunem-se para discutir a questão do sigilo. Num encontro com Hillary Clinton em Genebra, a ministra suiça dos Negócios Estrangeiros disse que se os Estados Unidos continuarem a pressionar o banco UBS para que revele os nomes de clientes, as relações bilaterais e muitos empregos podem estar em perigo.