Última hora

Última hora

Líderes do G20 evitam fracasso em Londres

Em leitura:

Líderes do G20 evitam fracasso em Londres

Tamanho do texto Aa Aa

Restaurar o crescimento económico e o emprego; impulsionar o sistema bancário e o mercado do crédito; reforçar as instituições financeiras mundiais; promover o comércio internacional, rejeitar o proteccionismo e impulsionar a economia verde. Estes são os pontos enunciados na declaração final da cimeira do G20 que decorreu esta quinta-feira em Londres.

Na conferência de imprensa final, Gordon Brown explicou que os líderes mundiais chegaram a acordo para acabarem com os paraísos fiscais, que não fornecem as informações que lhes são pedidas, sublinhando que o segredo bancário do passado tem que acabar. O primeiro-ministro britânico fez questão de referir que a cimeira marca o início de uma nova era mundial, com o mundo unido para atingir os mesmos objectivos. Brown referiu que os países do G20 anunciaram e estão a aplicar “o maior estímulo macro-económico jamais visto no mundo. Estamos a meio de uma expansão fiscal sem precedentes que injectará, até ao final do próximo ano, o montante de cinco biliões de dólares nas nossas economias”, acrescentou. Os líderes mundiais comprometeram-se a criar um novo organismo de supervisão dos grandes fundos especulativos e a aumentar os poderes do Fundo Monetário Internacional (FMI). Os países do G20 vai ainda injectar um montante de 500 mil milhões de dólares nas reservas de liquidez do FMI, que passarão a ser de 750 mil milhões de dólares, para ajudar os países mais afectados pela crise. Brown anunciou que os dirigentes do G20 vão reunir-se ainda este ano para analisarem a aplicação das medidas acordadas na cimeira.