Última hora

Última hora

Primeira noite difícil para sobreviventes

Em leitura:

Primeira noite difícil para sobreviventes

Tamanho do texto Aa Aa

Um acordar difícil na região de Abruzzo. Dezenas de milhares de habitantes dormiram a primeira noite em tendas, centros de acolhimento ou nas viaturas, fazendo face a um frio glaciar. Os termómetros chegaram a registar zero graus.

Em Áquila, os habitantes receberam bebidas quentes e comida, mas nem todos tiveram a mesma sorte. Nos arredores da cidade faltam ainda cantinas ou casas de banho. Esta manhã, chegavam a Abruzzo, através dos jornais distribuídos gratuitamente, as mensagens de solidariedade de todo o mundo. Um magro consolo para quem tem de fazer face a um futuro incerto. Será difícil, reconhece um sobrevivente. O governo instalou tendas para cerca de 20 mil pessoas e requisitou dezenas de casernas, estádios e ginásios. Mulheres, crianças e idosos tiveram a prioridade, mas os locais não chegam para todos. Muitos dormiram nos carros. Para vários é o único bem que resta. Independentemente do local de descanso a noite foi agitada. Desde ontem já se registaram quase 300 réplicas, a mais forte atingiu 4,5 na escala de Richter.