Última hora

Última hora

ETA: separatistas preparavam atentado em Espanha

Em leitura:

ETA: separatistas preparavam atentado em Espanha

Tamanho do texto Aa Aa

Montauriol, no sudoeste de França. Foi nesta localidade que, numa acção conjunta, as autoridades francesas e espanholas detiveram o actual número um dos separatistas bascos.

Jurdan Martetegi, de 28 anos, era o cabecilha da ETA, desde a detenção de Aitzol Iriondo, em Dezembro do ano passado. Com a prisão do etarra, os olhos estão já postos no próximo líder dos separatistas bascos. O ministro espanhol do interior, Alfredo Perez Rubalcaba disse não saber se a ETA “já nomeou um substituto, mas que a polícia e a guarda civil já estão de sobreaviso”. Martetegi foi detido quando dava indicações ao responsável de um comando, que planeava cometer uma atentado em território espanhol. Dois outros etarras foram presos. No âmbito da mesma operação, seis pessoas foram detidas em Vitória, Bilbau e San Sebastian, no país basco espanhol, horas depois. Os etarras fariam parte de um comando dirigido por Alexander Uriarte, detido juntamente com o cabecilha em França. O chefe do governo espanhol disse não estar disponível para dialogar com a ETA, que radicalizou a sua acção desde o fim do cesar-fogo, em Junho de 2007. “A luta para o fim do terrorismo é imparável. Asseguro-vos que acabaremos com a ETA para conseguirmos que a liberdade e a paz reinem no País Basco e em toda a Espanha”, declarou Jose Luis Rodriguez Zapatero. Este domingo, o El Pais leva à primeira página as declarações de um dirigente histórico da ETA, numa altura em que os separatistas atravessam uma crise de identidade e alguma debilidade operacional. Josu Ternera diz ser favorável ao diálogo com Madrid e questiona a “utilidade do terrorismo para atingir fins políticos”.