Última hora

Última hora

Berlim recusa nomear beneficiários da PAC

Em leitura:

Berlim recusa nomear beneficiários da PAC

Tamanho do texto Aa Aa

Quais os agricultores que receberam subsídios europeus e quanto receberam? Isto é algo que a Alemanha não quer dizer. Em nome da transparência, os Estados membros são obrigados a publicar este tipo de informação. Mas Berlim alega que isso viola as leis de protecção dos dados privados – e pediu parecer aos tribunais.

A grande maioria dos Estados membros já forneceu os dados, que estão disponíveis no site http://www.farmsubsidy.org. Mas Bruxelas, no último dia do prazo de entrega dos dados – esta quinta-feira, 30 de Abril – deu 15 dias mais a Berlim, para resolver a questão jurídica. No entanto, apenas sete dos 27 Estados membros forneceram dados considerados “bons”, em termos de critérios de transparência. O melhor aluno é a Suécia, com uma nota de transparência de 82 por cento. Com 35 por cento, Portugal aparece no 11.° lugar da lista. Dos resultados parciais, fornecidos por Lisboa, sabe-se que 320 mil beneficiários portugueses receberam pouco mais de mil milhões de euros. A ajuda média por exploração agrícola foi de 1700 euros. A Produland, Associação Transnacional de Organizações de Produtores de Hortofrutícolas, sediada em Muge, no Ribatejo, foi a principal beneficiária: recebeu 14 milhões de euros. Mais abaixo ainda no ‘ranking’ da transparência está a França. A principal beneficiária das ajudas da PAC ocupa o 18.° lugar.