Última hora

Última hora

Sem reformas não há sexo

Em leitura:

Sem reformas não há sexo

Tamanho do texto Aa Aa

Onze associações de mulheres no Quénia decretaram uma semana de abstinência sexual para protestar contra a instabilidade política do país.

A iniciativa visa apelar aos governantes para se concentrarem nas reformas de que o Quénia precisa. Uma activista dos direitos das mulheres considera que é urgente mobilizar a opinião pública: “Agora que temos a atenção da população queniana, vamos abordar as questões que afectam a nação e que me impedem de dormir à noite”. O golpe mediático das associações femininas chocou muitos homens, num país onde a poligamia é autorizada por lei. Foi o caso de um pregador de Nairobi: “Aguentamos uma semana e depois vamos ao bairro das prostitutas para satisfazer o nosso desejo sexual, ou seja, o boicoite não vai resultar” Talvez resulte: algumas activistas dizem-se prontas a pagar às prostitutas para participarem no boicote… O Quénia vive um período de forte instabilidade política. Mais de mil pessoas morreram após as eleições de Dezembro 2007 que terminaram em confrontos entre os partidários do presidente e os da oposição. Actualmente as duas partes partilham o poder mas não se entendem sobre as políticas a seguir.