Última hora

Última hora

Obama decide manter tribunais de excepção de Guantánamo

Em leitura:

Obama decide manter tribunais de excepção de Guantánamo

Tamanho do texto Aa Aa

Barack Obama decidiu manter as comissões militares de Guantánamo herdadas da era Bush. Apesar da garantia de reformar os polémicos tribunais de excepção criados para julgar suspeitos de terrorismo, a decisão do presidente norte-americano contraria uma promessa de campanha e atraiu críticas unânimes das organizações de defesa dos direitos humanos.

No primeiro dia em funções, Obama decretou o encerramento de Guantánamo e, como explica um representante da Amnistia Internacional, “tinha uma posição clara durante a campanha. Pouco depois de chegar à Casa Branca era claro aquilo que ía fazer. Agora, a posição e políticas da administração são algo confusas”. Entre as reformas propostas por Washington, os réus poderão passar a escolher os advogados e as declarações obtidas sob tortura ou técnicas consideradas irregulares não serão admitidas. Um advogado de defesa militar diz que a “desilusão está no facto de que o Governo afirma agora abertamente que a razão para ressuscitar as Comissões é que será difícil obter condenações nos tribunais convencionais”. Acrescenta que os tribunais de excepção representam a primeira vez que os Estados Unidos “criam um sistema penal para obter condenações”. As comissões militares, depois de reformadas, tardarão pelo menos quatro meses para voltar a funcionar e deverão julgar entre 20 e 80 dos 240 detidos de Guantánamo. Mas a decisão de Obama já desiludiu um grande número de apoiantes.