Última hora

Última hora

Bruxelas pede transparência na venda da Opel

Em leitura:

Bruxelas pede transparência na venda da Opel

Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia entrou em cena no caso Opel e alertou para possíveis atropelos às regras comunitárias sobre a livre concorrência. Os candidatos à compra da Opel continuam à espera do fumo branco por parte do governo alemão. O executivo continua as reuniões e deve escolher entre as duas ofertas em cima da mesa.

Bruxelas pede transparência: “Não pode haver condições discriminatórias. A ajuda estatal não pode estar condicionada a, por exemplo, o fecho de fábricas ser feito num Estado membro em vez de outro”, diz Jonathan Todd, porta-voz da Comissão Europeia para a concorrência. O governo de Berlim está particularmente insatisfeito com as condições postas pela actual casa-mãe da Opel, a General Motors. O grupo americano, que pode nos próximos dias abrir falência, está, segundo os alemães, a pedir demasiado dinheiro, o que pode afastar os compradores, como explica o analista Christoph Stürmer: “Assisti a uma reunião em que os americanos não estavam bem preparados. Não se pode dizer que acabou com um mau resultado, isto porque, na verdade, não houve resultado absolutamente nenhum!” Berlim deve decidir entre a oferta da Magna e a da Fiat. O governo já disse preferir o grupo austro-canadiano, mas depois disso tanto a Magna como a Fiat apresentaram propostas melhoradas. A Fiat tem como objectivo formar um mega-grupo que junte as marcas Fiat, Chrysler, Opel, Vauxhall e Saab.