Última hora

Última hora

Taxa de abstenção recorde ofusca vitória do PPE

Em leitura:

Taxa de abstenção recorde ofusca vitória do PPE

Tamanho do texto Aa Aa

Apenas 43,09% dos 375 milhões de europeus foram às urnas para escolher os eurodeputados. Uma taxa de abstenção recorde, impulsionada pela apatia e pela vontade dos eleitores em punir os respectivos governos pela actual crise financeira.

A taxa de participação está em queda desde as primeiras eleições europeias. Em 1979, a participação foi de 61,99%, enquanto, em 2004, foi de 45,47. Mas os números variam muito entre os Vinte e Sete Estados membros. Os menos entusiastas com o voto foram os eleitores eslovacos, dos quais apenas 19,04% compareceram nas urnas, seguidos de perto pelos eslovenos, checos, romenos e polacos. Os únicos países onde a taxa de participação se elevou acima da média foram aqueles em que o voto é obrigatório, como por exemplo a Bélgica e a Grécia. Em Itália, a participação também surpreende pela positiva, apesar de estar en queda. 67% dos eleitores foram às urnas, menos 5% do que em 2004. Em Portugal, a taxa de participação suerou a média Europeia. Apenas 37,05% dos portugueses foram às urnas. Uma tendência que se mantém desde 1989, data das primeiras eleições europeias realizadas em Portugal em simultâneo com os restantes Estados-membros. São várias as leituras possíveis em Bruxelas para este desinteresse. O presidente do parlamento Europeu, Hans-Gert Pöttering, responsabiliza os partidos políticos e os medias pela forma como comunicam sobre as questões europeias e relativiza, explicando que a taxa de participação é igual à das eleições nos Estados Unidos.