Última hora

Última hora

Zoellick pede abertura aos bancos

Em leitura:

Zoellick pede abertura aos bancos

Tamanho do texto Aa Aa

O dinheiro não pode ficar guardado nos bancos e tem que ser emprestado aos particulares. Foi essa a mensagem que o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, lançou aos bancos comerciais.

A solução para saír da crise, segundo Zoellick, passa por fazer os bancos abrir os cordões à bolsa. Ao conseguir empréstimos mais facilmente, as famílias consomem e dão dinheiro às empresas que assim evitam os despedimentos, quebrando o ciclo vicioso. Foi o que Zoellick explicou numa carta aberta ao presidente em exercício do G8, Silvio Berlusconi, antes da cimeira que começa quarta-feira. Com a crise económica, os bancos centrais, como o BCE ou a Reserva Federal, injectaram grandes quantias no mercado, para aumentar a liquidez dos bancos. Por isso, Zoellick explica que não há razão para que não emprestem. O sector imobiliário é um dos mais afectados pela crise. As reticências dos bancos em emprestar é um dos motivos para o acumular de casas por vender. Também a indústria automóvel tem vindo a sofrer, com quedas brutais nas vendas, o que levou a descidas na produção e despedimentos em várias construtoras. Nalguns países, a situação está a melhorar, graças aos programas governamentais de apoio. Os governos estão de acordo que só aumentando o consumo a economia pode saír do marasmo.