Última hora

Última hora

Exército chinês mantém a ordem em Urumqi

Em leitura:

Exército chinês mantém a ordem em Urumqi

Tamanho do texto Aa Aa

Graças a um forte dispositivo militar, ao fim de quatro dias de confrontos, os níveis de violência vão baixando em Urumqi.

Milhares de soldados e polícias patrulham os bairros da maioria uigur para prevenir represálias contra os membros da comunidade Han. Mas os incidentes dos últimos dias foram demasiado graves para que as tensões se dissipem e existem denúncias de que grupos continuam a circular armados com barras de ferro em alguns pontos da cidade. “Estamos muito revoltados. Os uigures mataram 150 dos nossos e a polícia não interferiu. Agora eles prendem chineses Han e toda a gente está muito irritada”, declarou um membro da etnia Han. As autoridades locais afirmam que foram detidas mais de 1400 pessoas na sequência dos confrontos e as chefias do partido comunista na região ameaçam executar os responsáveis. Desde domingo que não param as manifestações da comunidade muçulmana. Muitos dos que não se podem manifestar, como mulheres e crianças tentam abandonara cidade. O presidente Hu Jintau, que foi obrigado a abandonar o G8 para lidar coma instabilidade em Xinjiang, afirmou numa mensagem televisiva que “o país é indivisível” e que as “minorias também não podem ser separadas”. Os protestos da minoria muçulmana, que acusa os Han de descriminação e de manter um fosso económico entra as duas comunidades da província, tiveram origem num incidente ocorrido em Junho numa fábrica. Na altura, os confrontos resultaram na morte de dois trabalhadores uigures.