Última hora

Última hora

Acordo relança projecto do gasoduto Nabucco

Em leitura:

Acordo relança projecto do gasoduto Nabucco

Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia deu um passo fundamental para reduzir a dependência energética do gás russo, e em particular do que transita pela Ucrânia.

Os chefes de governo da Áustria, Hungria, Roménia e Bulgaria deslocaram-se a Ancara onde assinaram com o primeiro-ministro turco o acordo de trânsito para o gasoduto Nabucco. A infra-estrutura orçada em 7,9 mil milhões de euros é apoiada por Bruxelas e por Washington. Actualmente, a principal interrogação é: quem vai alimentar um gasoduto com uma capacidade de débito anual de 31 mil milhões de metros cúbicos? O comissário europeu da Energia, Andris Piebalgs, deseja que o Irão possa um dia vender também o seu gás à Europa, o que talvez possa acontecer dentro de poucos anos. Mas actualmente são sobretudo três os países com que se trabalha para serem os principais abastecedores: em primeiro lugar o Azerbaijão, e em seguida o Turquemenistão e o Iraque. O Nabucco vai estender-se por 3.300 quilómetros e espera-se que entre em funcionamento dentro de cinco anos. Como explica o enviado da euronews a Ancara, Stefen Grobe, “há ainda muitos problemas para resolver mas o acordo celebrado é bastante importante para os signatários. A Europa cria condições para diminuir a dependência energética face à Rússia e a Turquia reforça o estatuto de potência regional. Mas se a cooperação económica entre Ancara e Bruxelas avança, resta saber até onde podem ir a Turquia e a União Europeia de um ponto de vista político.”