Última hora

Última hora

O robot cirurgião

Em leitura:

O robot cirurgião

Tamanho do texto Aa Aa

A capacidade cirúrguica dos robots está a evoluir muito rapidamente. Recentemente, o Guy’s Hospital, de Londres, equipou-se com uma máquina de última geração, capaz de remover a próstata de doentes oncológicos.

O robot tem uma destreza e rigor de movimentos superior à da mão humana. Por isso, é muito mais preciso. Com ele, os cirurgiões podem retirar a pele de uma uva. Durante uma intervenão, o cirurgião fica numa outra sala, sentado à consola, que lhe oferece uma imagem em 3D, do que está a ser feito. Daqui, manipula os instrumentos do robot, numa muita delicada operação. É uma cirurgia feita pelo buraco de uma fechadura, o que significa que é tudo feito através de uma incisão minúscula. Os tubos que transportam os instrumentos cirúrgicos levam também duas câmaras. Isto dá ao cirurgião uma visão clara: 3D, alta definição, 10 vezes ampliada. “A 3D é fastástica, é como estar dentro do paciente, sente-se realmente como é o interior, vendo-se todas as coisas, e pode trabalhar-se de forma mais intuitiva. Pode mover-se, como se fosse uma cirurgia normal”, diz um dos cirurgiões. Menos de 24 horas depois da cirurgia, o paciente pode pegar nas suas próprias malas e regressar a casa. “Eu tinha feito uma cirurgia antes, menos complexa, com menor risco. Nem posso acreditar, estou a sentir-me muito bem”, confessa Jeremy Lineham. Os médicos pensam que esta operação foi um grande sucesso, reduziu o trauma cirúrgico, a duração da anestesia e a estadia no hospital.