Última hora

Última hora

Turquia na rota do gás

Em leitura:

Turquia na rota do gás

Tamanho do texto Aa Aa

O trânsito de gás tem por estes dias um nome: Turquia.

Em Julho, Ancara assinou um acordo com quatro países da União Europeia para regular o transporte de gás até ao centro da Europa. O projecto Nabucco visa reduzir a dependência energética face à Rússia e deve começar a funcionar dentro de cinco anos, fornecendo, cinco a 10% das necessidades europeias. Quando estiver concluído o Nabucco pode fornecer, anualmente, à Europa 31 mil milhões de metros cúbicos de gás. Com uma extensão 3.300 quilómetros, o gasoduto atravessa cinco países. A Turquia, Bulgária, Roménia, Hungria e Áustria. Um projecto com um custo estimado em cerca de oito mil milhões de euros Ancara que já se comprometeu com o projecto Nabucco não quer, no entanto, perder o comboio concorrente South Stream. Moscovo rcebeu, esta quinta-feira, luz verde da Turquia para construir o gasoduto que vai permitir contornar a Ucrânia e manter o abastecimento à Europa. O South Stream desenvolvido pelo gigante russo Gazprom e pela italiana ENI vai passar pelo Mar Negro. Orçado entre os 10 e os 40 milhões de euros deve entrar em funcionamento em 2015. A capacidade máxima anual do gasosuto ronda os 63 mil milhões de metros cúbicos de gás. O projecto prevê ligar a Rússia à Bulgária. Aqui a rede segue dois rumos. Um para a Áustria (via Sérvia, Hungria e Eslovénia) e outro rumo à Grécia e à Itália. Moscovo vê no Nabucco uma ameaça. A União Europeia garante que há mercado para todos.