Última hora

Última hora

Abranda política de construção de colonatos em Jerusalém Leste e na Cisjordânia

Em leitura:

Abranda política de construção de colonatos em Jerusalém Leste e na Cisjordânia

Tamanho do texto Aa Aa

A terra no coração do conflito israelo-árabe desde a origem. As colónias, mais uma vez, estão no centro do bloqueio das negociações.

Sob pressão de Washington, o Estado de Israel parece disposto a travar temporariamente a colonização na Cisjordânea. Pelo menos deixou de fazer ofertas de novos alojamentos até 2010, mas isso não vai impedir a continuação de projectos privados. Os palestinianos denunciam uma manobra política e a situação existente no terreno. No gráfico da imagem, a laranja, estão as colónias ilegais e territórios quase inacessíveis aos palestinianos sem autorização.Os triângulos negros são as primeiras construções ilegais desde 2001. E a controversa barreira de segurança. 300 mil colonos instalaram-se na Cisjordânea, e 200 mil suplementares numa dúzia de colonatos em Jerusalém Leste. Quanto à situação desde Janeiro: Yariv Oppeinheimer, director de “Peace Now” afirma: “Foram construidos 600 alojamentos à volta de todos os colonatos da Cijordânea. Não é um verdadeiro congelamento da construção de colonatos é a mais a política de expansão dos colonatos. O único ponto positivo é que o Governo não está a fazer concursos públicos para a construçãio mas os colonos arranjaram um modo, utilizando velhos èplanos de colonatos inacabados mas legais e constroem eles na Cisjordânea. “ As construções em curso não páram, o que satisfaz a ala direita do partido no governo. Daniel Hershkowitz, ministro israelita: “Sou contra o congelamento da construção de colonatos, o crescimento natural é moral, humno, por isso estou satisfeito. “ Mas a colonização toma diferentes formas; algumas não são exemplos de humanidade e de moral. Em Jerusalém Leste , multiplicam-se as expulsões de palestinianos das casas. Os israelitas tomam posse dos sítios com base em documentos do séc XIX Chris Guness, porta-voz da ONU: “O que vêem aqui, vidas jogadas nas ruas de Jerusalém, é o que significa a ocupação, é o que está a acontecer aqui. Agora, em Jerusalém, e é por isso que pergunto ao mundo se pode acordar e verificar o que aqiio se passa!” A administração Obama mostrou-se firme sobre o dossiê e considera que enquanto não se der o congelamento total da construção de colonatos, não pode se pode retomar o processo de paz. E a situação não evolui há anos.