Última hora

Última hora

Situação continua tensa em Urumqi

Em leitura:

Situação continua tensa em Urumqi

Tamanho do texto Aa Aa

A situação continua tensa na cidade chinesa de Urumqi depois de uma série de ataques com seringas.

Os chineses da etnia Han acusam a etnia minoritária, os iugures, de estarem por trás da violência. Nos últimos dias milhares de pessoas da etnia Han protestaram contra a situação que se vive na província. Ontem Pequim demitiu vários dirigentes locais mas a população mostra-se insatisfeita. Uma mulher queixa-se de que o governo não demitiu o líder do partido comunista de Xinjiang e diz que a população está farta dos ataques com seringas e tem medo de sair de casa. Outro residente da capital de Xinjiang afirma que o governo não soube lidar com os incidentes dos últimos dias mas acredita que possa fazer melhor no futuro. Analistas chineses consideram que é pouco provável que o líder da província seja demitido porque tem dado provas de obediência ao poder central. Um relatório do governo indica que 531 pessoas apresentaram queixa por ataque com seringas mas minimiza a possiblidade de ter havido transmissão de de doenças infecciosas. Há dois meses, confrontos entre as comunidades Han e iugur causaram duzentos mortos e mais de mil feridos. De religião mulcumana e cultura turcófona, a etnia uigur considera-se discriminada face à etnia Han. Há cada vez mais chineses Han a instalar-se na região. A principal preocupação de Pequim é impedir o separatismo iugur na província de Xinjiang.