Última hora

Última hora

Google explica Google Books aos editores europeus

Em leitura:

Google explica Google Books aos editores europeus

Tamanho do texto Aa Aa

A polémica em torno do Google Books trouxe os principais responsáveis pelo projecto à Europa, esta segunda-feira.

Dan Clancy, o arquitecto do projecto de digitalização de livros do gigante norte-americano esteve em Bruxelas, numa audição organizada pela Comissão Europeia, para explicar o acordo assinado com a associação de editores e sindicato dos autores norte-americanos, em Outubro de 2008. Uma grande parte dos editores europeus teme que o Google aproveite este acordo para vender sem autorização livros europeus, sob pretexto que estes já não se encontram disponíveis nas livrarias norte-americanas. Jessica Sanger, da associação de editores e livreiros alemães, não poupa críticas ao projecto Google Books e afirma que “em relação à Europa a única maneira de aceder aos livros é e será através do pagamento do copyright.” O responsável do Google Books para a Europa, Santiago de la Mora, rejeita as críticas dos editores europeus e defende que todos ficam a ganhar com o acordo. “Trata-se de uma proposta em que todos ganham. Os autores e editores porque podem dar a conhecer os seus conteúdos; nós porque satisfazemos os pedidos dos nossos utilizadores; e, claro, o utilizador que tem um maior acesso à informação mundial e à nossa herança universal. O acordo entre Google e editores nos Estados Unidos, que diz apenas respeito a livros publicados em território nacional e que já não são impressos, ainda está à espera de luz verde de um tribunal norte-americano. Mesmo assim, o Google Books já disponibiliza online mais de sete milhões de obras. As que caíram no domínio público são gratuitas e podem ser descarregadas na íntegra. Para as restantes obras, os utilizadores podem apenas aceder a 20% do conteúdo da obra sem pagar.