Última hora

Última hora

Um nova oposição alemã encabeçada por um minoritário SPD

Em leitura:

Um nova oposição alemã encabeçada por um minoritário SPD

Tamanho do texto Aa Aa

Castigados como nunca. Os social-democratas do SPD foram relegados pelo eleitorado para junto dos pequenos partidos nas legislativas de Domingo.

Frank-Walter Steinmeier encabeça o partido, assim como uma histórica derrota. O SPD deixou de ser um partido de massas para pertencer ao grupo dos mais pequenos. Isto depois de onze anos coligado no poder, uma posição que lhe foi retirada pelos 23 por cento de votos. Steinmeier não escondeu a decepção ontem à noite quando afirmou “não vou fugir à responsabilidade, em especial nesta noite amarga…” Ficou a promessa de que ia fazer uma oposição forte. Mas para isso vai ter de reunir toda a esquerda representada no parlamento – não vai ser fácil convencer os Verdes e o Partido Die Linke – A Esquerda, uma força ascendente e uma ameaça ao próprio SPD, já que cobiça o seu eleitorado. Este eleitor da SPD afirma não reconhecer o partido. “Parece que vinte anos de política estão a ser atirados pela janela…” O primeiro obstáculo que Steinmeirer vai ter de contornar chama-se Oscar la Fontaine – precisamente o líder de A Esquerda, ex-SPD. A Die Linke obteve 11,9 por cento dos votos. La Fontaine já disse que a partir de agora a “SPD não pode negligenciar as questões que a Esquerda colocar…”. Os analistas esperam para ver como a Die Linke se vai comportar. Dizem que as feridas ainda abertas resultantes da reunificação alemã sararão o dia em que A Esquerda de La Fontaine for capaz de aliar-se e trabalhar em conjunto com os demais partidos da oposição. Os Verdes ainda não decidiram – o seu líder, Cem Ozdemir, não descarta a possibilidade de se juntar aos conservadores de Merkel.