Última hora

Última hora

Papandreu e Sócrates dão folga à maré cinzenta dos socialistas

Em leitura:

Papandreu e Sócrates dão folga à maré cinzenta dos socialistas

Tamanho do texto Aa Aa

Uma vitória clara e limpa, como os socialistas já não tinham há algum tempo: a maioria socialista grega, ganha por Giorgos Papandreu, é uma excepção na Europa, onde a esquerda moderada está a recuar.

O exemplo mais flagrante foi a derrota do SPD alemão nas legislativas de 27 de Setembro. Depois de quatro anos de coabitação com os cristãos democratas de Angela Merkel, a derrota não podia ter sido mais amarga para Frank-Walter Steinmeier, que obteve o pior resultado para o SPD desde a II Guerra Mundial, como o próprio admitiu: “O resultado foi amargo para a social democracia da Alemanha. Não há como tornear: foi uma derrota amarga”. Será que a Europa está com tendência para o conservadorismo e o declíneo socialista? Eis a resposta de Antonio Missiroli, analista do Centro Político Europeu:

“Diria que há diferentes ciclos políticos em toda na União Europeia que nem sempre coincidem nos detalhes. Não esqueçamos que, na semana passada, houve outro regime que se saiu razoavelmente bem, em Portugal. Assim, há dois ou três governos de partidos socialistas, nomeadamente no sul da Europa… talvez haja lá alguma coisa que deva ser bem observada”

José Socrates conseguiu ganhar o segundo mandato em plena crise económica, mas ficou longe de conseguir repetir a maioria de 2005. Portugal, Grécia, Espanha e Reino Unido, Eslovénia e Hungria são os únicos países governados pelos socialistas. Na Holanda e na Áustria governam em coligação com os cristãos-democratas.

Em minoria na Europa, os socialistas também recuaram em Espanha, onde o governo em minoritário de Zapatero é muito contestado por causa da gestão da crise. Uma sondagem recente divulga que 72 por cento de espanhois não têm confiança no primeiro ministro.

Cenário cinzento também para Gordon Brown, no Reino Unido. As eleições de 2010 vão ser difíceis para os trabalhistas. Depois de 12 anos no poder, até o apoio do líder de opinião The Sun, já perderam.