Última hora

Última hora

Vítimas do sismo em Samatra à mercê das epidemias

Em leitura:

Vítimas do sismo em Samatra à mercê das epidemias

Tamanho do texto Aa Aa

Cinco dias após o sismo em Samatra, na Indonésia, a prioridade é prevenir as epidemias.

As autoridades puseram fim às buscas em Padang, a cidade mais afectada pelo violento tremor de terra. O mau tempo dos últimos dias dificultou as operações de socorro. Agora, a possibilidade de encontrar sobreviventes nos escombros é muito reduzida. No terreno, trabalham equipas de ajuda humanitária de vários países. A população precisa de comida, água tendas e medicamentos. Um responsável da Cruz Vermelha afirma-se preocupado com as questões sanitárias, nomeadamente, a falta de água potável. Segundo o mesmo responsável, “a electricidade foi restabelecida, mas a ajuda ainda não chegou às zonas rurais”. As epidemias ameaçam sobretudo as aldeias. Dezenas de localidades ficaram reduzidas a escombros. Uma das medidas urgentes é transportar os feridos das zonas rurais para os hospitais das cidades onde podem receber melhor tratamento. Segundo cálculos das autoridades indonésias, o sismo destruiu 180 mil casas e vinte mil edifícios. Há 551 mortos confirmados mas segundo o ministério da saúde o número real de vítimas mortais deverá estar próximo das três mil.