Última hora

Última hora

ONU volta a pedir fim do embargo americano a Cuba

Em leitura:

ONU volta a pedir fim do embargo americano a Cuba

Tamanho do texto Aa Aa

Cuba celebra o aniversário da morte de um dos seus heróis da revolução numa altura em que se começa a falar de uma possível melhoria das relações entre Havana e Washington.

Camilo Cienfuegos morreu há 50 anos, quando regressava de uma missão encomendada por Fidel Castro. O avião em que seguia desapareceu em pleno mar. A sua efígie gigantesta foi colcoada na fachada do Ministério das Comunicações de Cuba, na Praça da Revolução, ao lado da de Che Guevara. Esta inauguração coincide com mais um voto do plenário das Nações Unidas sobre o boicote dos Estados Unidos a Cuba, que se mantém há 47 anos. Para Lazara Martinez, primeira secretária do Partido Comunista de Havana: “Pela voz da comunidade internacional, este é um reconhecimento da força do povo cubano demonstrada ao longo desde cinquenta anos de revolução. Em Nova Iorque, 187 dos 192 estados membros das Nações Unidas, votaram pelo fim do embargo. É a 18a vez desde 1998 que a ONU vota sobre este assunto. Apenas os Estados Unidos, Israel e o Palau votaram contra. Jorge Bolanos, responsável pela secção de ligação cubana em Washington, explica: “O embargo afecta o quotidiano dos cubanos, das crianças, das mulheres, dos mais velhos e dos homens. Não há nenhum sector económico ou social abrangido pelo bloqueio que não tenha sido impactado de forma negativa.” A chegada de Barack Obama à Casa Branca não acabou com o embargo, mas divisas já podem ser enviadas de forma oficial dos Estados Unidos para Cuba, e as negociações para a retoma do serviço de correios entre os dois países foram iniciadas. Mas até o restabelecimento de relações completas há um grande passo a dar. Para Camilo Chavez, director da fábrica de reparação ferroviária de Havana: “Temos locomotivas paradas porque não encontramos peças para repará-las. Procurámos em todo o país, mas nada, e tentámos através de países terceiros comprá-las aos Estados Unidos, chegámos a ter de desmontar aparelhos em bom estado para retirar partes de forma a mantermos as locomotivas em funcionamento”. No dia em que puder comprar directamente as peçasaos Estados Unidos, é sinal de que uma ponte firme foi estabelecida.