Última hora

Última hora

Duas décadas após a queda do Muro de Berlim

Em leitura:

Duas décadas após a queda do Muro de Berlim

Tamanho do texto Aa Aa

Leipzig, 20 anos depois da Queda do Muro. A segunda maior cidade da ex-República Democrática Alemã, tem o misticismo incontornável do movimento que acabou pacificamente com o regime comunista.

No Outono de 1989, os habitantes da cidade venceram o medo e começaram a manifestar-se às segundas-feiras. No dia 9 de Outubro o Movimento faz uma reviravolta. 70 mil alemães de leste manifestaram-se durante horas ao grito de “Gorbi”: liberdade. Antes da manifestação junto à Igreja Nikolai Kirche, cerca de 2.400 pessoas assistiram ao serviço do pastor protestante Christian Führer. Coordenador das manifestações pacíficas, recorda o sucedido: “A solução chinesa pairava sobre nós como uma ameaça permanente, por isso naquele dia não havia crianças connosco. Um dos pais ficou em casa com as crianças, para o outro ir rezar pela paz e participar na manifestação pacífica. As pessoas fizeram algo assombroso. O verdadeiro resumo do Sermão da Montanha de Jesus, que líamos à segunda feira e se condensa em duas palavras: não à violência.” No dia 30 de Outubro, os manifestantes já eram 300 mil, todas as pessoas que saiam dos escritórios e tinham de passar na praça principal do centro da cidade. Gritavam sem medo nem complexos pela liberdade e pela democracia. “Freiheit wollen wir, nur Freiheit, und Demokratie.” Foi esta aspiração da sociedade da Alemanha de Leste que deu lugar ao Neues Forum, o Novo Fórum. Este movimento, o primeiro à margem da Igreja protestante, foi fundado no dia 10 de Setembro de 1989 por este grupo de activistas. Objectivo: debater a transformação da RDA. Mas a proibição do Novo Fórum pelas autoridades, apenas, alimentou o movimento e deu coesão aos protestos. Os alemães de leste não queriam uma vida sem liberdade, fechada, triste. No Outono de 89 ousaram dizer à polícia do regime: Nós somos o Povo.

O Muro de Berlim: pt.euronews.net/1989-2009