Última hora

Última hora

A morte de dois jornalistas em filme

Em leitura:

A morte de dois jornalistas em filme

Tamanho do texto Aa Aa

É o caminho para a liberdade de dois jornalistas norte-americanos, desaparecidos, no Cambodja de Pol Pot, nos anos 70.

Foram capturados pelos Kmeres Vermelho. A aventura está agora contada num filme de produção independente.. As filmagens decorreram na cidade de Kep, a pouco mais de 200 quilómetros de Penon Pen, a capital. O realizador é Brendan Moriarty. Esta saga inspirou-lhe o filme “The Road to Freedom”: “The Road to Freedom” foi inspirado numa série de histórias verdadeiras, mas é também uma tomada de consciência do caso destes grandes fotojornalistas desaparecidos. As pessoas não se lembram deles se ninguém o fizer” A guerra do Cambodja começou em 1970 entre as tropas governamentais do príncipe Shianouk, apoiadas pelos Estados Unidos e a guerrilha dos Kmeres Vermelhos. Era uma extensão da guerra do vizinho Vietnam. Aqui, diversos jornalistas foram capturados e depois libertados, sem qualquer mazela. Pensava-se que, no Cambodja, essa seria também a sorte dos dois repórteres capturados. Mas não foi isso que aconteceu. Em 1970, 24 jornalistas estrangeiros foram mortos nas estradas do Cambodja e os seus corpos nunca foram encontrados. Scott Maguire interpreta um dos jornalistas, um papel que lhe exigiu bastante preparação. “Fiz, realmente, muita pesquisa sobre a vida dos jornalistas, durante esse período dos anos 70. Li muitos livros, vi muitas fotografias e encontrei-me com pessoas, como Nick Wheeler e Tim Page, jornalistas desse tipo. Eu tinha uma velha Nikon e andei com ela à volta de Los Angeles a tirar tantas fotografias, quanto foi possível”. O seu companheiro de aventura é Joshua Frederic Smith, que guardou uma impressão muito forte, por ter filmado no Cambodja: “Nós estamos literalmente a filmar, viver, pesquisar, actuar e a montar o nosso filme em muitos dos locais onde as coisas aconteceram. Pode ser muito opressivo e muito poderoso. Mas eu penso que isso, sem ser mórbido, pode acrescentar um ar majestático ao filme”. Sean Flynn e Dana Stone, capturados em 6 de Abril de 1970, nunca mais foram vistos. Presume-se que terão sido assassinados. Tom Proctor, o produtor que também desempenha uma personagem, diz que o argumento junta histórias, de acontecimentos diferentes: “Encontrámos vários estórias que combinámos, de modo a dar uma só estória, mas depois tivemos de criar um final, porque ninguém sabe, verdadeiramente, como morreram os jornalistas, naquela época”. O filme fala também de outros crimes cometidos pelos Kmeres Vermelhos, na prisão de Tuol Sleng. Crimes que foram admitidos em tribunal por Kaing Guek Eav, também conhecido Duch, um dos comandantes kmeres. “The Road to Freedom” é, nas palavras do realizador, um filme de memória. Recupera acontecimentos, com 40 anos. “Eu trouxe a história de volta. Perguntei às pessoas, nos Estados Unidos, se tinham ouvido falar desta gente. Nos dias de hoje, as pessoas são muito cuidadosas e disseram-me que não se querem incomodar, com coisas destas”. O fiilme está em fase de pré-oprodução. A estreia deve acontecer em Janeiro.