Última hora

Última hora

Arte contemporânea e o Sandmann

Em leitura:

Arte contemporânea e o Sandmann

Tamanho do texto Aa Aa

O museu Hermitage, de S.Pertersburgo e a Galeria Saatchi, de Londres, associaram-se numa exposição, sob o genérico de Newspeak.

A arte nova britânica assinada por artistas emergentes, revelados nos anos mais recentes. Um exposição que é também uma viagem ao melhor da arte do SEC XX, como diz o seu responsável: “Nós fizemos várias exposições nos últimos anos onde apresentámos muitos artitas da arte contemporânea do SEC. XX. O que esta tem agora de novo é que apresenta também artistas que não são exactamente famosos, e que estão no princípio do seu trabalho. Nós queremos que o Hermitage se envolva mais e mais na vida artística, na vida de hoje, com museus e galerias de arte contemporânea”. Este projecto conjunto do Hermitage com a Saatchi, de acordo com Nigel Hurst, director da galeria londrina, pretende atingir, especialmente, as novas gerações “O Hermitage tem uma colecção maravilhosa, famosa em todo o mundo e nós vimos a captação de novas audiências, para esta colecção. E a Galeria Saatchi tem uma audiência que, em 75 por cento, tem menos de 35 anos.Eu quero pensar que isto é uma união divina”. A exposição vai ficar em S Pertersburgo, ate 17 de Janeiro de 2010. No Verão do próximo ano, estará na galeria Saatchi, em Londres. Todas as noites, a televisão alemã, sem falhas, exibe a série infanto-juvenil, Sandmann, acompanhado dos seus inseparáveis amigos. Aventuras que vigiam o sono e os sonhos dos mais pequenos. Mas há dois Sandmans. Um para a metade ocidental da Alemanha, outro para a metade leste. A razão desta duplicidade encontra-se na história recente. O país estive dividido por um muro, imposto pela guerra fria. Dos dois lados do muro de Berlin, havia processos de desenvolvimento diferentes. Por isso havia também dois Sandmann, como explica o produtor do lado leste: “Enquanto na televisão ocidental se pensava em fazer um Sandmann, na televisão do leste já se trabalhava no Sandmann. Nesses tempos, também havia guerra, na antena. Foi uma batalha entre o ocidente e o leste, e nós queriamos fazê-lo mais depressa e fizé-mo-lo mais depressa”. Uma guerra fria, também, em programas de televisão infantis. Tudo se passou há 50 anos, mas agora pode ser revisitado, no museu de cinema de Postdam, até Dezembro.

Mais sobre le mag