Última hora

Última hora

O comboio da liberdade

Em leitura:

O comboio da liberdade

Tamanho do texto Aa Aa

Muito antes da Queda do Mudo de Berlim, as fronteiras da ex-RDA tinham deixado de ser impermeáveis. No dia 19 de Agosto em Sopron, na Hungria, uma abertura simbólica do postoda fronteira com a Áustria permitiu a cerca de 600 alemães de Leste fugir da ex-RDA. Foi a alegria da liberdade e a saudade dos que ficaram…

Agora, no que resta do muro, Dietmar Poguntke, lembra o dia em que passou para o Ocidente em Sopron. “Atravessei, passei por este bocado e lá estava um austríaco a dizer-me: benvindo à liberdade. A estender-me um bocado de arame farpado como se fosse uma rosa! Eu pensava que aqui era como em Berlim, com fortificações…e perguntei-lhe se era tudo. E ele disse que sim, que eu estva na Áustria.” Nas semanas seguintes, milhares de cidadãos da Alemanha de Leste convergiram para a Hungria. Invocando razões humanitárias, no domingo 10 de Setembro de 1989, à meia-noite, a Hungria abriu oficialmente a fronteira com a Áustria, o que permitiu a milhares de alemães escapar da ditadura comunista. A 11 de Setembro mais de 16 mil passaram da Tchecoslováquia para a Hungria para se juntarem ao gigantesco êxodo. Em Praga, também foi uma multidão que afluiu e se empurrou para passar. No dia 30 de Setembro eram quase quatro mil a acampar nos jardins da embaixada da RFA, praticamente sem condições sanitárias. A situação ficou insustentável, quando Hans Dietrich Genscher, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha Ocidental anunciou: A Alemanha de Leste tinha aceite deixá-los partir rumo ao Ocidente, passando pelo seu território de comboio. Foi criado um corredor de passagem guardado pela polícia de Leste para impedir o salto de outros à passagem das carruagens. Ralf Doebler viajou num dos comboios: “Estávamos nos comboios que passaram por Bad Brambach e a Stasi chegou e verificou todos os documentos. Mas quando vi o primeiro alemão ocidental no comboio quase o abracei! Foi uma loucura, o melhor momento da minha vida” 20 anos depois, a emoção está tão viva como no dia em que aquels alemães arriscaram tudo para ir ao encontro da liberdade… sem adivinhar que, brevemente, o Muro ia cair.

O Muro de Berlim: pt.euronews.net/1989-2009