Última hora

Última hora

Jerzy Buzek: "É necessário lutar sempre pela democracia"

Em leitura:

Jerzy Buzek: "É necessário lutar sempre pela democracia"

Tamanho do texto Aa Aa

euronews: Bem-vindos à redacção da euronews, para uma entrevista com Jerzy Buzek, presidente do Parlamento Europeu. Antigo membro do Solidariedade, antigo primeiro-ministro polaco, Jerzy Buzek é, desde Julho, o primeiro cidadão de um novo Estado-membro a presidir uma instituição europeia. Nesta qualidade, desempenhou recentemente um papel activo a favor da ratificação do Tratado de Lisboa, na Irlanda e na República Checa.

Presidente, quais são as suas memórias do dia 9 de Novembro de 1989. Como é que reagiu às notícias da queda do Muro de Berlim? Jerzy Buzek: Lembro-me muito bem desse dia, porque a Polónia era, há alguns meses, um estado completamente livre, porque o Solidariedade tinha ganhado as eleições e tínhamos um governo não comunista no meu país. E o chanceler Kohl, precisamente nessa altura, visitava a Polónia e voltou, por algumas horas, a Berlim, para desmantelar o Muro de Berlim, e, depois, regressou a Varsóvia, para acabar a visita. Portanto, lembramo-nos muito bem deste momento, na Polónia. euronews: Isso quer dizer que, hoje, há celebrações na Polónia por causa da queda do Muro de Berlim? Jerzy Buzek: Sim, há celebrações, provavelmente, em todos os países europeus. E celebrámos também a vitória do Solidariedade, a 4 de Junho. Foi também um 20° aniversário. E aconteceu também nesse mesmo ano a abertura da fronteira austro-húngara. E dentro de alguns dias, a Revolução de Veludo, vai ser celebrada na Checoslováquia, nas repúblicas checa e eslovaca. E também na Bulgária e na Roménia. Este ano, é o 20° aniversário das mudanças na nossa parte da Europa. euronews: E em toda a Europa? Enquanto presidente do Parlamento Europeu acha que há hoje, de facto, uma percepção comum deste evento histórico? Jerzy Buzek: Provavelmente, há uma percepção comum. Talvez cem por cento dos europeus não pensem da mesma maneira. É normal que haja divergências. euronews: E diria que a Europa tem hoje, de facto, uma percepção comum da luta pela democracia? Jerzy Buzek: Bem… não. Talvez haja um mal-entendido. Eu estou apenas a dizer que nós temos uma percepção muito semelhante acerca disso. E é preciso lutar sempre pela democracia, em todas as alturas, porque não está garantida para sempre. Portanto, devemos lembrar-nos disso todos os dias. E é algo de que nos devemos lembrar também dentro da União Europeia. Nas leis da democracia, nas leis dos Direitos Humanos, temos de reagir imediatamente. E estamos a fazê-lo no Parlamento Europeu, mais especificamente, porque Direitos Humanos e democracia são pontos de interesse cruciais para os membros do Parlamento Europeu. euronews: Muito obrigada. Jerzy Buzek: Se eu puder acrescentar uma coisa… Porque o senhor falou em novos Estados-membros. Eu não acho que tenhamos mais novos e velhos Estados-membros. Estamos apenas unidos. Temos uma responsabilidade comum. Claro que há diferenças entre nós, mas temos as nossas políticas comuns e podemos ajudar em várias situações, sendo uma Europa forte e unida. euronews: Jerzy Buzek, muito obrigada.