Última hora

Última hora

Líderes mundiais unidos no aniversário da queda do Muro de Berlim

Em leitura:

Líderes mundiais unidos no aniversário da queda do Muro de Berlim

Tamanho do texto Aa Aa

20 anos depois, a passagem livre do leste para o ocidente. Angela Merkel, acompanhada dos líderes das quatro potências aliadas que administraram Berlim no pós-guerra, atravessaram juntos a Porta de Brandeburgo, símbolo da reunificação alemã.

A orquestra mais antiga da cidade reuniu à sua volta milhares de pessoas. Na primeira fila, Angela Merkel, Nicolas Sarkozy, Gordon Brown e Mikhail Gorbatchov. Mesmo debaixo de chuva, os cidadãos responderam ao convite da “Festa da Liberdade”. O concerto começou às 18 horas, para lembrar o momento em que o porta-voz do Partido Comunista da RDA leu, há duas décadas, o comunicado que abriu as fronteiras. Desta vez, todos ouviram o maestro Daniel Barenboim. Depois, a atenção foi para os discursos. O presidente russo, Dmitri Medvedev, destacou que “a passagem para um mundo multipolar e a reunificação são hoje muito importantes porque o mundo continua a enfrentar sérias ameaças económicas e regionais”. Barack Obama, não esteve na cerimónia, mas enviou uma mensagem vídeo. O presidente americano afirmou que “há 20 anos ninguém podia imaginar que hoje a Alemanha seria dirigida por uma mulher, ainda por cima vinda de leste”. Um convidado surpresa, o tenor espanhol Plácido Domingo, juntou-se ao maestro Daniel Barenboim, para cantar uma marcha popular alemã. A composição harmonizou os aplausos dos líderes políticos mundiais.