Última hora

Última hora

Presidência da UE: Tony Blair, o ex-favorito

Em leitura:

Presidência da UE: Tony Blair, o ex-favorito

Tamanho do texto Aa Aa

Foi durante meses o favorito na corrida à presidência permanente do Conselho Europeu, mas Tony Blair viu desacelerar a corrida. Ao longo das semanas e, apesar do carisma, o ex-primeiro-ministro britânico foi perdendo apoios e o governo de Gordon Brown acaba por ser o único a defender ferozmente a nomeação.

A oposição começa no Reino Unido, com os conservadores, eurocépticos. O país não pertence à zona Euro nem ao Espaço Schengen e os “Tories” querem mesmo recuperar poderes entregues a Bruxelas. Mas no grupo anti-Blair estão também os socialistas europeus e os países do Benelux. Ninguém esqueceu as ligações com o ex-presidente norte-americano, George W. Bush, e o apoio à guerra no Iraque que dividiu os europeus. As razões do conflito iraquiano vão obrigá-lo a testemunhar no próximo ano na comissão independente de inquérito, criada no Reino Unido. Depois de Downning Street, Blair tornou-se enviado do Quarteto de Paz para o Médio Oriente, o que para alguns analistas é uma reforma antecipada.